17 Dezembro 2017 Dom

2 visitantes e 0 Usuários online

  Indique Download Forums Links Polita de Privacidade
PC-SOS :: Internet :: Speedy não pode mais exigir provedor
PC-SOS
Notícias
Anúncios
Estatística
FAQ
Usuários
Usuários Online
Conteúdo
1-Política de Privacidade
Artigos
Celular
Flash
Linux
Discos Rígidos
Hardware
Internet
Modem
MSOffice
MSOffice - Excel
Multimedia
Photoshop
Programação
Rede
Segurança
Sistema Operacional
Software
Software p/ PenDrive
Termos & Siglas
WEB
Windows
Xoops
Área de Usuário

Usuário:
Senha:
Lembrar!
Esqueci minha senha
Registrar

Pesquisa Avançada

Patrocinadores

 


Teste de Velocidade

Desenvolvido por

 

 

 

2.01.2009
Como configurar o Windows para aceitar 8GB de RAM
3.12.2008
Quando Pen Drive USB Não Aparece No Windows
15.02.2008
BBS, sistema que foi o antecessor da internet
26.11.2007
Firefox 3.0
5.10.2007
Hitachi trabalha em Blu-Ray de 100GB e 200GB
24.09.2007
Novo supercomputador entra em operação no Brasil
24.09.2007
IBM oferece software gratuito de edição de texto
19.09.2007
Processador com 80 NÚCLEOS
19.09.2007
IBM terá suíte de escritório gratuita
17.09.2007
Clone do Office online, e grátis

Speedy não pode mais exigir provedor
3.09.2007

SÃO PAULO - A Justiça de São Paulo julgou ilegal a exigência de provedor para os usuários do Speedy, da Telefônica.


Ao analisar ação movida pelo Ministério Público Federal, o juiz Marcelo Freiberger Zandavali, da 3ª Vara Federal de Bauru, considerou a exigência de contratação de provedor para os usuários terem acesso à banda larga Speedy um ato de venda casada, portanto proibido pelo Código de Defesa do Consumidor.


Zandavali deu 30 dias para a Telefônica comunicar todos os seus usuários da não obrigatoriedade e liberar o acesso ao Speedy sem validação por um provedor. Caso descumpra a decisão, o grupo Telefônica pode ser multado em R$ 36 milhões, além de receber multas diárias de R$ 1,2 milhão após o vencimento do prazo estipulado. A decisão vale para todo Estado de São Paulo.


Segundo o Ministério Público, a sentença vai beneficiar 1,8 milhão de usuários que utilizam o serviço Speedy. A decisão também obriga a Telefônica a ressarcir os gastos, com correção monetária, que seus consumidores tiveram pagando um provedor desde setembro de 2003.


A data de setembro de 2003 - sugerida pelo Ministério Público e acatada pela Justiça – marca o mês em que a Telefônica implementou tecnologia que permite dispensar a validação por um provedor.


Segundo a Telefônica, não há venda casada, já que o usuário Speedy pode escolher livremente qual provedor contratar. Além disso, a empresa explica que só exige a validação da conexão por um provedor para atender determinação da Anatel.


“A Telefônica cumpre a regulamentação em vigor, estabelecida pela Anatel, que não permite a concessionárias de telefonia a prestação de serviços de provimento de acesso à internet”, afirma a empresa em nota.


Uma norma da Anatel exige que serviços de banda larga prestados por operadoras de telefonia sejam validados por provedores de acesso. Na época da aprovação da norma, a Anatel argumentou que a entrada das empresas de telecom no mercado acesso à web poderia gerar concentração de mercado e eliminar pequenos provedores.


Empresas que não são definidas como grupos de telecom, como a TVA e a NET, por exemplo, podem oferecer banda larga sem a exigência de um provedor.


A Telefônica diz que existem duas outras decisões da Justiça “com posicionamento distinto” da decisão proferida pela 3ª Vara da Justiça Federal de Bauru. A empresa afirma que recorrerá da decisão no Tribunal Federal de São Paulo.

Fonte: http://info.abril.com.br/aberto/infonews/082007/29082007-4.shl

PC-SOS
Hits: 1056
Internet >>
 Ruim  Bom 
Comentário de Usuário: Nosso usuário podem revisar conteúdos

 

 

 

     

Número de visitas deste fev/2005 - Número de consultas ao site:

  © Copyright 2005 PC SOS. All Rights Reserved. contato@robweb.com.br